Experiência do Noviciado

Experiência do Noviciado

Louvados sejam Jesus e Maria!

Fui convidado para expor um pouco da minha experiência no Noviciado e confesso que escrevi alguns textos dos quais depois desisti pelo fato de não conterem totalmente o que estava em meu coração. O Noviciado é um tempo ‘privilegiado da graça’, como diz o nosso Pai Fundador nas Constituições. É dessa graça particular que tenho feito experiência por meio de muitas oportunidades que me são oferecidas, para exercer efetivamente o Louvor de Deus. Sou extremamente grato a Jesus e a Maria pelo contato com a vida de santidade do Padre Gilberto, que sempre me inspira a continuar; e pela graça de ter uma experiência privilegiada com a Palavra de Deus e com a oração, que, como ele mesmo diz “constitui nosso primeiro dever e o cerne de nossa missão evangelizadora”. Posso também tocar nessa graça de Deus pela oportunidade que muitos carismáticos batizados no Espírito Santo gostariam de viver: “o crescimento espiritual-doutrinário e missionário-evangelizador”, mas que, infelizmente, muitas vezes são impedidos pela exigência de uma sociedade capitalista.

Devo expor também que o Noviciado está me ensinando mais concretamente o que é o Louvor de Deus, através da paciência que exige essa etapa, da vivência comunitária que é intensa, dos horários que são bem regrados e do exercício dos votos de pobreza, castidade e obediência, que sob a ótica do carisma perdem aquela aparência de ‘prisão e proibição’ que a mentalidade do mundo impregna em nossas mentes, e dá não somente a sensação, mas uma vivência de liberdade, que com certeza vai se desenvolvendo com o tempo. Não posso deixar de mencionar que através dos vídeos e textos do padre Gilberto, pois não o conheci pessoalmente, identifico nele aquele ‘ser carismático’ e o ‘ardor missionário’: realidades que por primeiro me chamaram a atenção para querer ingressar nessa Obra. Termino essa breve partilha contando com as orações de todos, pela minha perseverança nessa etapa e para que, ao chegar ao final dela, eu possa me consagrar ao Senhor, para continuar a formação, vivendo a cada dia a radicalidade do batismo, uma realidade que coaduna com o nosso lema: “No mínimo, devemos dar a Deus o máximo”.

Anderson da Silva Melo
Noviço Canônico

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.