Evangelho Mateus 18,21-19,1

Evangelho Mateus 18,21-19,1

Aniversário de Nascimento de Dom Bosco 197 anos – Festa para a Família Salesiana – 19ª Semana Comum — O Senhor esteja convosco. — Ele está no meio de nós

Aniversário de Nascimento de Dom Bosco 197 anos – Festa para a Família Salesiana – 19ª Semana Comum

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 18,21Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: “Senhor, quantas vezes devo perdoar, se meu irmão pecar contra mim? Até sete vezes?” 22Jesus respondeu: “Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete. 23Porque o Reino dos Céus é como um rei que resolveu acertar as contas com seus empregados. 24Quando começou o acerto, trouxeram-lhe um que lhe devia uma enorme fortuna. 25Como o empregado não tivesse com que pagar, o patrão mandou que fosse vendido como escravo, junto com a mulher e os filhos e tudo o que possuía, para que pagasse a dívida. 26O empregado, porém, caiu aos pés do patrão, e, prostrado, suplicava: ‘Dá-me um prazo! e eu te pagarei tudo’. 27Diante disso, o patrão teve compaixão, soltou o empregado e perdoou-lhe a dívida. 28Ao sair dali, aquele empregado encontrou um dos seus companheiros que lhe devia apenas cem moedas. Ele o agarrou e começou a sufocá-lo, dizendo: ‘Paga o que me deves’. 29O companheiro, caindo aos seus pés, suplicava: ‘Dá-me um prazo! e eu te pagarei’. 30Mas o empregado não quis saber disso. Saiu e mandou jogá-lo na prisão, até que pagasse o que devia. 31Vendo o que havia acontecido, os outros empregados ficaram muitos tristes, procuraram o patrão e lhe contaram tudo. 32Então o patrão mandou chamá-lo e lhe disse: ‘Empregado perverso, eu te perdoei toda a tua dívida, porque tu me suplicaste. 33Não devias tu também, ter compaixão do teu companheiro, como eu tive compaixão de ti?’34O patrão indignou-se e mandou entregar aquele empregado aos torturadores, até que pagasse toda a sua dívida. 35É assim que o meu Pai que está nos céus fará convosco, se cada um não perdoar de coração ao seu irmão”. 19,1Ao terminar estes discursos, Jesus deixou a Galileia e veio para o território da Judeia além do Jordão. – Palavra da Salvação.   – Glória a vós, Senhor.

Reflexão

1 – Perdoar é, decididamente, é uma questão de atitude interior. Deus não usa matemática para nos perdoar. Quem passou pela triste experiência do pecado é que compreende o que significa ser perdoado. A fraqueza é própria da condição humana. Nunca devemos buscar perfeição nos seres humanos. Todos, sem nenhuma exceção, somos propensos a erros e pecados. Fomos atingidos de cheio pelo pecado original, que nos descredenciou da graça santificante. Ora, se a fraqueza humana nos fez pecar, e passamos pela graça do perdão de Deus, não nos sobra outra possibilidade a não ser nos cultivar para perdoar sempre a quem nos ofendeu ou, nos feriu em nossa sensibilidade. Não devemos colocar limites na arte de perdoar. Perdoar vai muito além de um ato puramente humano. Perdoar é divino. Perdoar é uma atitude que tem sua origem e fonte no coração misericordioso de Deus. Se somos necessitados do perdão de Deus, como não vamos perdoar a quem nos ofendeu? Perdoar é a condição necessária para sermos efetivamente livres. Quem não perdoa acaba ficando escravo do próprio desejo de vingança. Perdoar é auto-curar-se…. O grande desafio é conseguir transformar as feridas em compaixão e as ofensas em intercessão. A parábola que Jesus nos conta, deve fazer efeito em nossa sensibilidade. Nesta parábola vemos o próprio Deus nos ensinando a perdoar, até as últimas consequências. Ou seja, a pessoa fica livre do peso do pecado. Até Deus fica indignado com a nossa atitude de não querer perdoar.

Oração

Senhor Jesus, fonte de misericórdia, toca profundamente o meu coração, tantas vezes insensível e sem predisposições para perdoar. Faze-me humilde, a ponto de entregar-me confiantemente à Tua divina misericórdia. Ajuda-me, Jesus, a crescer na capacidade de perdoar. Que eu aprenda a perdoar sem limites a todos os que me ofenderam, assim como Tu, Jesus, me tens perdoado as minhas muitas e graves ofensas. Concede-me a graça de entender que o amor é mais forte que a vingança, a raiva, a intolerância. Liberta, Senhor, a minha mente dos mecanismos que não me deixam esquecer as ofensas recebidas. Senhor, ‘Tu que me chamaste a viver na felicidade completa, concede-me tempo de graça e reconciliação. Que todas as minhas divisões sejam superadas’. Que minhas predisposições interiores me ajudem voltar à amizade, ao acolhimento e ao perdão verdadeiro. Que a busca da paz me faça vencer os conflitos e que meu desejo de vingança dê lugar à reconciliação. Faze, Jesus, que eu ame mais para perdoar mais. Amém.

– Deus te abençoe e te guarde. Amém.
– Ele te mostre a sua face e se compadeça de ti. Amém.
– Volte para ti o seu olhar e te dê a sua paz. Amém.
– Abençoe-te Deus misericordioso, Pai e Filho e Espírito Santo. Amém.

Desejo-te um dia muito abençoado.

Com estima,

Padre Renato dos Santos – Salesiano de Dom Bosco

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.