Frei Raniero Cantalamessa

Frei Raniero Cantalamessa

Começou nesta sexta-feira, 02, o retiro de advento direcionado ao Papa e a Cúria Romana, o qual será conduzido pela pregador da Casa Pontifícia, Frei Raniero Cantalamessa. A pedido de Bento XVI , o teólogo capuchinho fará durante o retiro voltado para o atual tempo litúrgico, pregações sobre a evangelização na história da Igreja

Começou nesta sexta-feira, 02, o retiro de advento direcionado ao Papa e a Cúria Romana, o qual será conduzido pela pregador da Casa Pontifícia, Frei Raniero Cantalamessa. A pedido de Bento XVI , o teólogo capuchinho fará durante o retiro voltado para o atual tempo litúrgico, pregações sobre a evangelização na história da Igreja. Será uma recapitulação de momentos chave em que a Igreja sentiu a necessidade de um maior empenho missionário.

O anunciador não é maior que o anúncio

Nessa primeira pregação, Raniero Cantalamessa falou sobre a força do anúncio evangélico e o papel que deve ser assumido por aquele que anuncia. O Frei, tomando o trecho do Evangelho que narra a parábola do Semeador, explicou que a razão essencial do sucesso da missão cristã não depende do portador da Palavra, mas da própria palavra.

“Aquilo que os historiadores das origens cristãos não registram ou quase não citam é a inabalável certeza que os cristãos de então, ao menos os melhores, tinham a respeito da bondade e da vitoria final da causa deles”.

A partir dessa afirmação acima citada, Raniero continuou o discurso falando sobre as convicções que devem estar no coração dos novos evangelizadores acerca da fé.

“Me parece, por isso, uma verdadeira inspiração do Espírito Santo aquela que levou o Santo Padre a instituir o ano da fé de 11 de outubro de 2012 a 24 de novembro de 2013. O sucesso da nova evangelização dependerá,de fato, da massa de fé que se conseguirá criar na Igreja, entre os próprios evangelizadores”, salientou.

A difusão do cristianismo nos primeiros três séculos

Catalamessa recorda que nos primeiros tempos do cristianismo seguir Cristo era uma escolha pessoal que levava as pessoas a realmente contra uma corrente que os ameaçava. Esta novidade cristã se espalhava rapidamente, pois tinha justamente um caráter universal.

“Os cristãos faziam todo o esforço possível para difundir sua fé colocando isso como a coisa mais importante da vida.Já na segunda metade do século III que as iniciativas começam a se tornar mais coordenadas e sustentadas pelas comunidades locais que se tornam, mais que nunca, protagonistas na evangelização”, ressaltou.

Críticas a Dan Brown

“Afirmações como aquela de Dan Brown no livro “O Código Da Vince” que diz que teria sido Constantino, por motivos pessoais, a transformar,  com o seu édito de tolerância e com o Concílio de Nicéia, uma obscura seita judaica na religião do império, é baseado em uma total ignorância que precederam esses eventos”, reforça Cantalamessa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.